EDUARDO TREINANDO COMO EMBAIXADOR

Eduardo Bolsonaro deixou a Casa Branca nesta sexta-feira (30) sem anunciar novidades.

Recusou-se a falar em inglês com a imprensa estrangeira -delegando a missão ao chanceler Ernesto Araújo- e, aos jornalistas brasileiros, afirmou que seu encontro com Donald Trump serviu para mostrar mais uma vez que os EUA estão alinhados ao governo de seu pai, Jair Bolsonaro, inclusive para se opor a quem contestar o que chama de soberania brasileira na Amazônia.

Macaque in the trees
Eduardo Bolsonaro, candidato a embaixador brasileiros nos Estados Unidos (Foto: REUTERS/Yuri Gripas e ANTÔNIO JOSÉ)

“Todos os líderes que tentarem subjugar a soberania nacional encontrarão problemas não só com o Brasil, mas também com os EUA”, afirmou Eduardo após se reunir com Trump e integrantes do governo americano em um encontro classificado por integrantes da comitiva brasileira como simbólico.

Mais cedo, em Brasília, o presidente Bolsonaro afirmou que era possível esperar novidades como resultado da visita de seu filho à capital americana. A partir daí, criou-se uma expectativa de que haveria anúncio de uma ajuda específica dos EUA para combater as queimadas na Amazônia.

O chanceler brasileiro, por sua vez, afirmou que a comitiva não fez nenhum pedido específico a Trump e que não tinha a intenção de sair com qualquer acordo do encontro em Washington.

Segundo Araújo, a reunião foi uma forma de emitir sinais à comunidade internacional sobre a parceria entre americanos e brasileiros.

“Não tínhamos expectativas de sair daqui com nada, mas achamos extremamente significativo que o presidente Trump tenha nos recebido”, disse Araújo.

Eduardo, por sua vez, afirmou que eventuais anúncios seriam feitos por Bolsonaro, mas não foi assertivo ou deu detalhes sobre alguma medida concreta.

“Qualquer tipo de anúncio ou fato mais detalhado certamente o presidente Bolsonaro falará, inclusive é um deferência, antes de falar com Bolsonaro, estamos falando com vocês de maneira aberta”, afirmou aos repórteres brasileiros que o esperavam após passar quase duas horas dentro da Casa Branca.

Antes de conversar por cerca de meia hora com Trump e o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, no Salão Oval, a comitiva se reunião com integrantes do Conselho de Segurança Nacional.

Eduardo foi escolhido pelo pai para ser o embaixador do Brasil nos EUA, mas sua indicação ainda não foi encaminhada ao Senado, onde precisa passar por sabatina e ter a chancela da maioria dos 81 senadores.

No entanto, ele já tem o aval oficial do governo americano para ocupar o posto e disse que, durante o encontro desta sexta, Trump reforçou o apoio a seu nome “de maneira educada.”

Dentro da Casa Branca, jornalistas que fazem a cobertura diária da rotina de Trump estranhavam a visita do filho do presidente brasileiro sem que ele ainda tenha sido aprovado para o cargo e esperavam por um anúncio sobre a ajuda americana para o combate às queimadas na Amazônia.

Acabaram frustrados. Foi Araújo quem respondeu às perguntas em inglês, dizendo que não havia novidades naquele momento. Quando um dos repórteres se dirigiu a Eduardo para saber como o presidente brasileiro se sentia em relação às críticas do presidente francês, Emmanuel Macron, ouviu o deputado, em português: “qual foi a pergunta? Responde você, Ernesto.”

“O presidente se sentiu muito ofendido, assim como a maioria dos brasileiros”, retrucou o chanceler.

Questionado sobre o motivo de ter se recusado a falar com os jornalistas estrangeiros, Eduardo ironizou: “prefiro falar com os brasileiros, vocês são muito mais bonitos.”

O Planalto queria o respaldo de Trump para isolar Macron em meio à crise internacional que reverberou em torno das queimadas na Amazônia.

O francês tem sido um dos críticos mais ferrenhos à negligente política ambiental de Bolsonaro e impulsionou outros presidentes europeus a condenar o desmatamento e as queimadas na floresta, elevando a tensão internacional.

“Não podemos aceitar, no Brasil, Macron falando e atentando contra nossa soberania nacional, depois querer fazer algum tipo de ajuda, porque não é uma ajuda que vem de bom coração. Isso é um desrespeito aos brasileiros, seria subjugar nossa brasilidade aceitar esse tipo de ajuda”, finalizou Eduardo.

Ao final do encontro na Casa Branca, o deputado seguiu com a comitiva para a embaixada, onde se encontrou com o polemista Olavo de Carvalho.

O deputado estava acompanhado, além de Araújo, do assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Filipe Martins, e do encarregado de negócios da embaixada brasileira em Washington, Nestor Forster.

Reportagem Marina Dias/Folhapress

Deixe uma resposta