VIVA O CIRCO!

Mataram um cacique da tribo Waiãpi, no Amapá. Foi um crime, um assassinato. mas o Fantástico precisava fazer uma matéria e era preciso um cenário apropriado. E teve produção, ah isso teve. Um grupo de índios sem pintura de guerra e limpinhos dançando e simulando uma cena de guerra não é fácil de se conseguir.

 

Senador Randolfe Rodrigues se aproveitando do circo que montaram no Amapá
Foto: Marco Oliveira/Agência Senado

Um senador da República fazendo selfie fora do plenário também não é nada fácil, mas  lá estava em uma estrada amapaense empoeirada, o senador Randolfo Rodrigues  (Rede-AP), no banco traseiro do seu carro dando um pitaco sobre o óbvio: ” índios vem sendo perseguidos etc”. Randolfo pegou uma boa carona midiática,afinal é um ativista de boa verve e respeitável, além de inteligente. Além disso, é um queridinho da Rede Globo e 5 segundos pesam junto aos eleitores.Mas vendo e revendo as imagens produzidas pelo Fantástico, percebo que no momento das imagens  da dança dos brancos, os gringos, mocinhas bonitas com penachos prontas para  “uma gira de umbanda” e felizes representantes de ONGs tinha um infiltrado militante do PCdoB, de cavanhaque vestindo com uma camisa vermelha onde se lia UNE. Avacalhou tudo. Um monte de gente jovem  segurando uma espécie de toalha com dizeres pedindo vida e paz para os índios Wanãpi que habitam uma área muito cobiçada por desmatadores e mineradores bandidos. A matéria ainda explorou o lado investigativo com sutileza: autoridades afirmaram que pode ter sido uma guerra entre tribos, disputa de liderança, onde foram usadas armas pesadas. Pode. Não mais do que isso.

Carlos Augusto T Pinto

Carlos Augusto Pinto é jornalista em
Brasília

 

BOLSONARO MANDA FEDERAL PARA AMAPÁ

Ao comentar pela primeira vez o caso da morte de um líder da etnia waiãpi no Amapá, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse que “não tem nenhum indício forte” de que ele tenha sido assassinado.

“Não tem nenhum indício forte que esse índio foi assassinado lá. Chegaram várias possibilidades, a PF está lá, quem nós pudermos mandar nós já mandamos. Buscarei desvendar o caso e mostrar a verdade sobre isso ai”, afirmou o presidente, ao deixar o Palácio da Alvorada na manhã desta segunda-feira (29).

Macaque in the trees
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Indígenas da etnia waiãpi denunciaram o assassinato de um líder em meio a uma invasão de garimpeiros, no oeste do Amapá. A Funai (Fundação Nacional do Índio) já está na região, e a Polícia Federal enviou uma equipe para o local.

A invasão ocorre em meio a seguidas declarações do presidente Bolsonaro de que pretende legalizar mineração e garimpos em terras indígenas, uma promessa de campanha. A mudança na legislação, no entanto, precisa do aval do Congresso.

De acordo com a denúncia à PF, feita com o apoio do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o assassinato de Emyra Waiãpi ocorreu na última quarta-feira (24), durante um ataque à aldeia Mariry. A Folha de S.Paulo confirmou essas informações com pessoas da região.

Bolsonaro voltou a dizer que sua intenção é regulamentar o garimpo e autorizar a exploração de mineradoras dentro de território indígena.

“É intenção minha regulamentar garimpo, legalizar o garimpo. Inclusive para índio, que tem que ter o direito de explorar o garimpo na sua propriedade. Terra indígena é como se fosse propriedade dele. Lógico, ONGs de outros países não querem, querem que o índio continue preso num zoológico animal, como se fosse um ser humano pré-histórico”, afirmou.

Na visão dele, as demarcações indígenas estão “inviabilizando o negócio” no Brasil.

“Está inviabilizando nosso negócio. O Brasil vive de commodities, daqui a pouco o homem do campo vai perder a paciência e vai cuidar da vida dele. Vai vender a terra, aplicar aqui ou lá fora, e cuidar da vida dele. a gente vai viver do quê? o que nós temos aqui além de commodities? Será que o pessoal não acorda para isso? se esse negócio quebrar todo mundo vai para o barro, acabou o Brasil.”, disse.

No final de semana, Bolsonaro, um opositor histórico das demarcações, disse que quer o filho, Eduardo, como embaixador do Brasil nos EUA para que ele possa atrair investimento norte-americano na exploração de minérios em territórios indígenas.

Na semana passada, em visita a Manaus, o presidente voltou a prometer a legalização de garimpos, que hoje devastam e contaminam diversas terras indígenas, incluindo a dos ianomâmis (RR/AM), dos mundurucus (PA) e dos cinta-larga (RO).

O presidente repetiu que é de interesse internacional fazer demarcação de terras indígenas e diz que “mais cedo ou mais tarde” elas vão se transformar em outros países.

“Esse território que está nas mãos dos índios, mais de 90% nem sabem o que que tem lá e mais cedo ou mais tarde vão se transformar em outros países. Está na cara que isso vai acontecer, a terra é riquíssima. Porque não legalizaram indígena em cima de terra pobre? Não existe. Há um interesse enorme de outros países de ganhar, de ter para si a soberania da Amazônia”, afirmou.

Para Bolsonaro, as demarcações são alvo de lobby de ONGs estrangeiras interessadas em explorar o território brasileiro.

“Índio não faz lobby, não tem dinheiro, que poder que eles têm para demarcar uma terra deste tamanho? Poder de fora, será que não consegue enxergar isso? São milhares de ONGs na Amazônia. Quantas têm no sertão nordestino, já que eles falam tanto nos Direitos Humanos?”, indagou.

O presidente disse que índios são “seres humanos igual a nós”, mas usados como “massa de manobra”.

“Se pegar um filho nosso e jogar para ser educado pelos índios ele vai crescer naquela, com aquela cultura. E se ele vier para o nosso lado vai vir com a nossa cultura. Nós queremos isso, é um ser humano. Agora, usam o índio como massa de manobra, para demarcar cada vez mais terras, dizer que estão sendo maltratados”, afirmou.

Bolsonaro diz que vai receber o ministro da Europa e dos Negócios Estrangeiros da França, Jean-Yves Le Drian, nesta segunda para tratar de questões como meio ambiente, mas que não vai aceitar ordens do exterior.

“Hoje eu vou receber o premier francês [sic], se não me engano, para tratar de assuntos como meio ambiente e ele não vai querer falar grosso comigo, ele vai ter que entender que mudou o governo do Brasil. Aquela subserviência que tínhamos no passado de outros chefes de Estado para com o primeiro mundo não existe mais. Se fosse outro governo qualquer, quando estava em Osaka, no G20, quando viesse para cá demarcaria mais 10, 15, 20 reservas indígena”, afirmou.

Deixe uma resposta